HQ’s Entrevista | Luís Carlos Nunes (Supraion)

0 Flares 0 Flares ×

Hoje é dia de entrevistar mais um quadrinista independente desse nosso Brasil. Luís Carlos Nunes tem 34 anos, criou o “Supraion” e divide sua paixão pelos quadrinhos com a música. Venha saber tudo sobre esse talentoso artista e suas criações…

1 – Luís, é um prazer falar com você, e para não perdermos tempo, fale como surgiu a ideia de criação do “Supraion – O Cavaleiro Sideral”.

O Supraion nasceu da ideia de dar continuidade ao gênero Metal Hero, de onde se originou a trilogia Live-Action dos “Uchuu Keiji” (Policiais do espaço) Gavan, Sharivan e Shaider, porém focado na revitalização feita dos mesmos através de Jaspion e Spielvan – vendido aqui no Brasil como Jaspion 2. Assim, Supraion seria uma espécie de sequência desses títulos, mas no caminho muitos outros elementos foram inseridos e o personagem acabou se mesclando a outro gênero, o “Sword and Sorcery”, de onde se derivam Conan, Caverna do Dragão e He-Man. Minha formação em Teologia acrescentou um fundo escatológico à trama.

2 – Nos conte um pouco sobre seus poderes e história de origem.

Bom, eu não posso contar muito mais sobre sua origem do que eu contei na primeira e única edição lançada, até porque também não foi minha proposta para a edição. O que posso dizer é que o Supraion é um nativo de uma colônia atlante nos confins da Galáxia. Para fugir do cataclismo diluviano global, muitas raças primordiais se viram obrigadas a evacuar o planeta, e é daí que começa a relação do herói com o contexto bíblico. Sendo o único sobrevivente de sua linhagem, foi separado desde a infância para a vida monástica, na qual foi criado de planeta em planeta, sob uma rígida disciplina de estudos científicos, marciais e sacerdotais de uma ordem Enoquiana, empenhada em preservar a paz no universo.

3 – Você trabalha com algum outro personagem? Ou pretende criar outro? 

Tenho outras ideias sim, mas por ora, minha prioridade é o Supraion, bem como vinculá-lo ao universo de outros autores por meio de crossovers. Nesse momento, Gil Mendes está escrevendo um roteiro para o encontro do seu personagem Lorde Kramus com o Supraion, que será desenhado por mim. Ainda quero produzir encontros com “Enemus” do Marcos Gratão e “Jou Ventania” do Lincoln Nery, personagens com os quais me identifico muito!

4 – Vamos falar um pouco sobre o projeto ALFA, como foi o contato para que o Supraion fizesse parte dessa equipe de super-heróis?

Eu conheci o Elenildo quando soube do seu lançamento na época, o “Capitão R.E.D”, em 2012. Através do Facebook entrei em contato com ele para adquirir a revista, muito boa por sinal! Desde então, venho acompanhando a produção de vários quadrinistas independentes que acabariam por participar com seus personagens no “Protocolo – A Ordem”… mais recentemente, após lançar a edição do Supraion, estreitei a relação com pelos menos quatro dos principais envolvidos: Thiago Mota, Lunyo Alves, Lincoln Nery e o próprio Elenildo. Então, entre um post e outro, uma troca de mensagens e outras, surgiu o convite: “Você quer participar da Ordem?” .Eu respondi: “Já que insiste…” (risos)

5 – Quais são suas expectativas para o projeto?

As melhores possíveis! Principalmente, levando em conta o elenco fortalecido por heróis clássicos como “Capitão 7”, “Raio Negro” e “Homem-Lua”, e o amadurecimento da proposta original nas mãos de uma equipe criativa muito experiente.

6 – Você tem mais algum projeto?

Sim, atualmente, pegando carona na iniciativa “Protocolo – A Ordem”, “Alfa – A Primeira Ordem”, e a série “Catálogo de Heróis Brasileiros”, do Lancelott Martins, estou desenvolvendo uma edição especial que reunirá as criações do saudoso mestre Gedeone Malagola com o Supraion num único universo, a ser lançada pelo selo da “Brasil Comics”. Pra quem não sabe, Gedeone foi um dos maiores gênios dessa arte no Brasil, tendo criado dezenas de personagens, incluindo “Patrulha do Espaço”, “Capitão Júpiter” e o mais popular, o super-herói “Raio Negro”!

7 – Luís, como você enxerga o cenário nacional de quadrinhos? Acha que estamos conseguindo evoluir? Quais são os maiores problemas que os artistas independentes enfrentam? E quais são suas expectativas para o futuro?

Eu não fazia a menor ideia de como andava o cenário nacional até lançar a minha publicação. Hoje eu posso dizer que, se o mercado não está tão expressivo quanto deveria, não é por falta de bons títulos e autores. Acredito que a falta de uma impressa especializada para comentar esse tipo de material, limita muito a compreensão que se tem dos conteúdos propostos, que acabam sofrendo comparações técnicas com o que se é produzido lá fora, o que não faz o menor sentido, visto que aqui a maioria das produções são 100% independentes, enquanto lá fora milhões são investidos nessa indústria. Espero que produtores como Marcos Gratão, Lincoln Nery, Elenildo Lopes, Gil Mendes, lancelott Martins e tantos outros, com seus respectivos selos publicitários e editoriais cada vez mais alcancem o grande público, pois sua contribuição não só para os quadrinhos em si, mas a toda cultura no Brasil são de um valor imensurável.

8 – Jogo rápido: seu herói nacional preferido? Seu herói estrangeiro preferido? Qual foi a melhor HQ nacional que você leu? E estrangeira?

Nacional é o Raio Negro. Estrangeiro, Conan, He-Man, tudo por aí… A melhor HQ nacional que eu li deve ter sido alguma realizada nos anos 90 pela dupla João Pacheco e Arthur Garcia, a qual eu perseguia assiduamente quando garoto e até hoje, porque foi muita coisa legal que eles fizera juntos! Estrangeira, “A Espada Selvagem de Conan”.

9 – Luís Carlos Nunes, quem é você?

Sou mais um na luta por transformar minha nação num lugar melhor!

10 – Vamos encerrar por aqui, deixe todos seus contatos e endereços onde os leitores poderão comprar suas HQ’s.

Aos interessados em adquirir a edição do Supraion, poderão realizar os pedidos pelo e-mail bradoretumbante@hotmail.com, ou através do Whatsapp: (14) 98101-8219. Você poderá também acessar a página do Supraion no Facebook  e da Brasil Comics. Eu espero que você adquira não só a minha revista, mas que também conheça os vários lançamentos dos artistas citados na entrevista. Tenho absoluta certeza de que irá gostar muito!

Luís, o HQ’s com Café agradece a oportunidade e te deseja todo sucesso do mundo, se você tiver mais alguma coisa para falar, essa é sua hora.

Em nome de todos os artistas de quadrinhos independentes, eu agradeço ao espaço e dedicação em promover nosso segmento em seu canal. Muito obrigado, grande abraço!

Leia outras entrevistas.

Leia mais sobre “ALFA – A Primeira Ordem“.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Henry Braga

Assisto preferencialmente o que não está na moda, gosto de livros, quadrinhos, séries e filmes. Também sei admirar DC e Marvel (sim, é possível), ainda tenho meu Super Nintendo. Seinfeld, Anos Incríveis e Watchmen são algumas de minhas preferências.